Capelania aos Enlutados

Visão

Assistir os enlutados nos maiores cemitérios da cidade do Rio de Janeiro.

Missão

Promover o cuidado e o aconselhamento de pessoas enlutadas, cultivando um relacionamento com a igreja local para o desenvolvimento espiritual dessas pessoas.

O trabalho de capelania aos enlutados visa atender a todos os que sofrem a perda de um ente querido por meio de apoio nos sepultamentos e visitação aos que se mostram favoráveis. Além disso, objetivamos também promover capacitações para voluntários interessados em trabalhar neste ministério e mobilizar as igrejas a realizarem atividades de acompanhamento a famílias enlutadas. Buscamos também identificar e desenvolver relacionamento com as igrejas situadas próximas aos cemitérios, visando apoiar os parentes e amigos enlutados. Na cidade do Rio de Janeiro temos 20 cemitérios, sendo 13 de propriedade do município, administrados pela Santa Casa da Misericórdia, e os restantes são particulares, sob regime de permissão. Através da Coordenadoria de Controle de Cemitérios, vinculada à Secretaria de Conservação (SC/CCF), a Prefeitura controla e fiscaliza os cemitérios públicos, particulares, todas as agências funerárias, capelas, crematório e embalsamamento em nosso município.

Motivos de oração

Por mais apoio das igrejas batistas cariocas ao trabalho de Missões Rio;

Por mais voluntários para este ministério;

Pelos recursos para o sustento ministerial;

Pela saúde física, emocional e espiritual dos capelães;

Pelas pessoas alcançadas com a mensagem do evangelho;

Pela capacitação dos voluntários;

Pelas equipes de administração das capelas e cemitérios;

Notícias e Publicações Relacionadas

Material da campanha 2017

Você já pode baixar nossos materiais pelo canal Downloads. Antecipe o acesso aos recursos necessários para a realização do período promocional de Missões Rio.

Missionários

PR. NELSON CARDOSO

PR. NELSON CARDOSO

Capelania aos Enlutados

 FILIPE DA CONCEIÇÃO

FILIPE DA CONCEIÇÃO

Capelania aos Enlutados

Frutos do trabalho

No período de abril de 2013 a março de 2014, alcançamos 2627 pessoas nas capelas e cemitérios de nossa cidade.

Realizamos, no mesmo período, 127 cerimônias fúnebres.

Ao observar a jovem senhora R., junto à cabeceira do esquife onde estava o corpo de sua mãe, R.S.M., de 50 anos, me aproximei e após me apresentar, lhe ofereci uma cerimônia com reflexão na Palavra de Deus e uma oração. Ela aceitou e pediu que apenas aguardasse a chegada de sua irmã. Após a chegada da sua irmã A., veio também um grupo de pessoas, entre eles, uma jovem católica, encarregada de realizar a cerimônia segundo o costume católico. Conversei então com A. e lhe disse que sua irmã me havia dado permissão para realizar uma cerimônia evangélica. As duas irmãs concordaram que cada um poderia conduzir uma parte da cerimônia. Combinei com a jovem católica, que ela poderia iniciar a sua parte, mas ela sugeriu que eu desse o início e ela continuaria depois. Ao chamar a atenção para o início da cerimônia, todos silenciaram e fiz uma reflexão em Eclesiastes 3.1-4. Sem conhecimento da causa do falecimento daquela senhora, falei da aprovação de Deus em relação ao final do tempo de vida de cada ser, ao que R. bradou, dizendo: – “Não, Deus não aprovou esse tempo para minha mãe, porque foi erro médico”. Contudo, conforme continuei a reflexão, pude observar o consolo sobre os presentes. Ao finalizar, passei a palavra para a jovem católica realizar a sua parte, mas ela disse: – “Não precisa mais, já estamos confortados”. Então, sugeri que orássemos o Pai-Nosso e fiz outra oração objetiva de consolo e gratidão pelo tempo que durou a vida da Srª. R.S.M. Após a oração, pudemos perceber o resultado positivo do conforto dado àqueles corações. Pr. Nelson

Missionário da Capelania aos Enlutados