Capelania Hospitalar

Visão

Estar presente em todas as unidades de saúde da cidade do Rio de Janeiro, oportunizando assistência espiritual e contribuindo para o desenvolvimento holístico de cada pessoa alcançada.

Missão

Ser referência em capelania hospitalar, disponibilizando oportunidades de parcerias e capacitações, visionando pessoas e instituições para alcançar todas as unidades de saúde no município do RJ.

Na realização do nosso trabalho missionário, objetivamos:

A

Alcançar dois hospitais: um na região de Santa Cruz e outro na região Centro-Oeste;

A

Ampliar o voluntariado de 248 para 448 voluntários cadastrados na CBC;

A

Promover 12 treinamentos em capelania hospitalar nas igrejas da CBC;

A

Firmar parcerias com 10 igrejas próximas aos hospitais a serem alcançados;

A

Realizar um Congresso de Capelania Hospitalar para despertamento e envolvimento das igrejas.

Notícias e Publicações Relacionadas

Natal nos hospitais

Mensagem natalina chega a pacientes do Rio através da integração entre igrejas e Missões Rio.

Voluntários em ação

Voluntários ampliam apoio espiritual a pacientes em unidades hospitalares do Rio.

Material da campanha 2017

Você já pode baixar nossos materiais pelo canal Downloads. Antecipe o acesso aos recursos necessários para a realização do período promocional de Missões Rio.

Missionários

PR. MIGUEL JACOB

PR. MIGUEL JACOB

Capelania Hospitalar

JOÃO PEREIRA DA SILVA

JOÃO PEREIRA DA SILVA

Capelania Hospitalar

SÔNIA BARBOSA

SÔNIA BARBOSA

Capelania Hospitalar

DEVANI ALVES

DEVANI ALVES

Capelania Hospitalar

ROSINALVA FERREIRA

ROSINALVA FERREIRA

Capelania Hospitalar

IVONEIDE NAIR DA SILVA

IVONEIDE NAIR DA SILVA

Capelania Hospitalar

SANDRA REGINA

SANDRA REGINA

Capelania Hospitalar

ÉZIA LOUZADA

ÉZIA LOUZADA

Capelania Hospitalar

 Motivos de oração

Pela abertura da capelania nos hospitais públicos e privados com apoio das Igrejas Batistas mais próximas desses hospitais;

Pelo envolvimento dos membros das igrejas na área de visitação hospitalar, com treinamento e capacitação;

Por mais obreiros comprometidos com a Seara do Mestre;

Para que Deus nos capacite e amplie nossa visão no trabalho de capelania hospitalar;

Por aqueles que estão sendo alcançados pela palavra;Para que nossas igrejas invistam no ministério de Capelania;

Pelas famílias dos Missionários.

Unidades hospitalares atendidas atualmente:

 

 

Hemorio – Sonia

Hospital Souza Aguiar – Ivoneide

Laranjeiras – Devanir

Hospital do Andaraí – Sandra e Jofre

Inca IV – Ezia

H.E.P.U – Ezia

Hospital Salgado Filho – Pr. Miguel

Semiu – Jofre

Clínica São Carlos / Humaitá – Jofre

Hospital Rocha Faria – João

Hospital Miguel Couto – Devanir

O setor de Oncologia é um desafio constante para nossa fé. Tenho trabalhado todos os dias no Hospital Geral de Bonsucesso na área de quimioterapia, onde vidas lutam sem cessar pela sobrevivência. É feito o acompanhamento com cada paciente e seus acompanhantes. Um dos pacientes, um jovem de 26 anos, com o câncer tomando todo o seu corpo, lutava pela sua vida. Ao abordá-lo com palavras de carinho e esperança em Jesus, ele e seus pais, olharam dentro dos meus olhos como que pedindo socorro para um situação impossível. O pai então me disse: “Pastor, deram apenas duas semanas de vida para o meu filho. Está muito difícil.”
Diante daquela situação, pude apresentar palavras de conforto, e esperança no nome de Jesus. A família agradeceu a ajuda, mas a dor física e emocional era tão grande! Ali orei pelo jovem, num momento de tanta dor, como se fosse o meu filho.
Alguns dias depois, o jovem sentado em seu leito, estendeu a mão para a médica e para a mãe e faleceu. A médica chorou, a mãe chorou, eu também chorei. Quantos têm chorado junto aos enfermos em momentos de dor e angústia?
A certeza de que os pais e filho se encontrarão no céu é plena. Declarar Jesus como Salvador é uma afirmativa que traz paz ao coração. Pr. Miguel Kopanyshyn

Missionário da Capelania Hospitalar

Seu Gil era um paciente que estava longe da lista de prioridades da enfermagem para atendimento, uma vez que sua alta já estava programada. Seu quadro clínico estava satisfatório e ele já poderia voltar para casa. Após atender seu companheiro de quarto e seus familiares, um paciente cujo óbito era questão de horas, na visão dos profissionais, observei o Seu Gil, bastante triste e cabisbaixo. Com sua permissão, iniciamos uma conversa, ele narrou sua história de vida, mostrando-se arrependido por atos cometidos na juventude; vi diante de mim uma alma sem esperança, um coração atribulado. Passei então a falar-lhe de Jesus e o quanto Ele o amava e que seu amor era eterno, e que seu pecado podia ser perdoado, e só em Jesus ele teria garantia de vida eterna. Fiz o convite para que recebesse Jesus em seu coração e Seu Gil prontamente aceitou. Ele fez uma oração de entrega e depois segurou minha mão e disse: “Que lindo ouvir falar de Jesus assim, nunca me falaram dessa forma. Como foi bom você ter vindo, como é bom ter alguém para nos ensinar e explicar.” Ao nos despedir, segurando ainda minha mão, ele perguntou-me se eu voltaria no dia seguinte, ao que eu respondi que não, mas que a capelã do dia estaria lá com certeza. Ele então argumentou: “Mas ela vai falar bonito também de Jesus?” “Até melhor do que eu”, respondi.
Na manhã seguinte, liguei para saber do Seu Gil e a resposta que tive foi que o leito estava vazio, pois ele havia falecido naquela manhã. Todos ficaram surpresos com seu óbito, pois era paciente com alta hospitalar. Aquela era a última oportunidade para o Seu Gil, Deus sabia disso e me enviou, aceitei o desafio pois a igreja ora e investe nesse ministério. Como é bom servir e obedecer ao nosso Deus! Ezia Lousada

Missionária da Capelania Hospitalar