Edward M. Bounds, conhecido como o “Homem de Oração”, foi escritor de onze livros, sendo nove desses sobre oração. Ele nos deixou muitos ensinamentos preciosos para a vida cristã e frases que até os dias atuais são repetidas e nos levam a refletir sobre aspectos importantes de nossa missão. Uma das suas frases mais célebres foi quando declarou que “Os homens estão em busca dos melhores métodos, mas Deus está em busca dos melhores homens”, já que o método que Deus usa para a expansão do seu Reino é o homem.

Neste tempo somos mais uma vez, como Batistas Cariocas, conclamados a nos envolvermos com a obra de MISSÕES URBANAS. Olhando para a nossa querida cidade do Rio de Janeiro, conhecida como “A cidade maravilhosa”, nos deparamos com tremendos desafios missionários e assim podemos meditar exatamente na importância do voluntariado, se desejamos alcançar o Rio para Cristo.

É interessante constatar nos evangelhos que uma das marcas no ministério do Senhor Jesus Cristo para a expansão do Reino de Deus foi exatamente o voluntariado. A sua ação primeira foi convocar homens, simples pescadores, para se tornarem seus discípulos como “pescadores de homens”.

A narrativa no primeiro Evangelho nos dá conta dessa convocação inicial no ministério terreno de Jesus: “Caminhando junto ao mar da Galiléia, viu dois irmãos, Simão, chamado Pedro, e André, que lançavam as redes ao mar, porque eram pescadores. 19 E disse-lhes: Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens. 20 Então, eles deixaram imediatamente as redes e o seguiram. 21 Passando adiante, viu outros dois irmãos, Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão, que estavam no barco em companhia de seu pai, consertando as redes; e chamou-os. 22 Então, eles, no mesmo instante, deixando o barco e seu pai, o seguiram.” (Mateus 4.18-22).

O voluntariado missionário se inicia com o CHAMADO do próprio Jesus Cristo, pela ação poderosa do Espírito Santo. Assim como aconteceu no passado, ainda hoje homens, mulheres, jovens, adolescentes e adultos continuam sendo chamados para se apresentarem como voluntários na Seara do Mestre. Muitas vezes somos inclinados a pensar que essa responsabilidade cabe apenas aos que são identificados como pastores e missionários, mas sabemos que todos somos vocacionados, desde o momento em que abrimos o nosso coração e recebemos Jesus Cristo como Salvador e Senhor de nossas vidas.

O Rio de Janeiro é conhecido como uma das cidades mais lindas do mundo com a sua exuberante beleza natural, mas também é vista como uma das mais populosas metrópoles do planeta, com grande índice de violência, carências sociais, menores abandonados, prostituição, tráfego de drogas e tantas outras mazelas. Na parábola da “Grande Ceia”, a ordem do Senhor foi: “Sai depressa para as ruas e becos da cidade e traze para aqui os pobres, os aleijados, os cegos e os coxos. 22 Depois, lhe disse o servo: Senhor, feito está como mandaste, e ainda há lugar” (Lucas 14.21,22). Mesmo que tenhamos experimentado crescimento no último século, precisamos nos apresentar ao Senhor de missões, pois “ainda há lugar”.

O voluntariado missionário requer um TOTAL DESPRENDIMENTO e uma PERFEITA SINTONIA com a voz de Deus. No relato bíblico, descobrimos que os que foram convocados pelo Mestre já haviam se encontrado com Jesus (João 1:40,42). Eles possuíam uma companhia de pesca, mas ao ouvirem o chamado de Jesus “…deixaram imediatamente as redes e o seguiram…e os que estavam no barco em companhia de seu pai, consertando as redes; no mesmo instante, deixando o barco e seu pai, o seguiram”(Mateus 4.20-22). Quando Deus nos chama, todas as demais coisas deixam de ser relevantes, pois o que importa é se apresentar ao Mestre para cumprir o seu querer.

A obra missionária também exige uma VISÃO AMPLA, pois muitas vezes somos induzidos a pensar somente nos campos mais distantes de nossa realidade, enquanto do nosso lado e diante dos nossos próprios olhos existem pessoas perdidas e sem salvação, pelas quais Jesus Cristo também morreu. A ordem de Jesus Cristo é clara: “mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra.” (Atos 1.8).

Assim sendo, podemos afirmar que em Cristo, o voluntariado é levar ao próximo a alegria que parecia não existir; o consolo das lágrimas que foram choradas; a esperança que era tão distante; a angústia que nunca foi ouvida; o alívio da dor que parecia um sonho e a vida que parecia não ter direito.

Deus quer nos usar como instrumentos em suas mãos para salvar a nossa cidade do Rio de Janeiro através de Missões Urbanas. Não nos esqueçamos que “O Método que Deus usa é o Homem”. Amém.

Para Refletir:
1. Será possível alcançar a cidade do Rio de Janeiro sem a prática do voluntariado?
2. O voluntariado diz respeito a mim como discípulo de Cristo?
3. O que preciso fazer para ser um voluntário na obra missionária?
Vitor Hugo Mendes de Sá
Pastor da PIB Penha-Rio
Blog: www.prvitorhugo.com

Share This